Quando o tempo passava devagar tudo tinha um significado diferente. Os dias eram mais longos, as noites mais curtas e os minutos insistiam em quase parar nos últimos raios de sol com cada bom ou mau momento a ser aprofundado como num mergulho até ao fundo do mar, ao contrário dos tempos da banalização do segundo, da informação de rodapé, fácil, distante, rápida e pouco ou nada profunda.

O efeito do tempo no ciclo da vida é definido não só pelas leis do Universo, mas também pela proximidade à tentação fácil de entrar no ritmo da ditadura do tempo, uma filosofia com muitos titulos, poucas introduções e raras conclusões.